A história do faxineiro poliglota no aeroporto de Zurique

Esse é o tipo de situação que certamente só acontece em lugares altamente civilizados como a Suíça

Eu estava no aeroporto de Zurique. Cheguei mais tarde do que o previsto, porque meu voo tinha atrasado devido ao mau tempo, e eu precisava comprar um passe de trem para me locomover pelo país, mas a loja da empresa de transportes já estava fechada.

 

Fiquei pensando em como proceder, discutindo com o Zé qual seria a melhor opção para chegar à Lucerna àquela hora da noite sem gastar rios de dinheiro, já que a compra do nosso passe promocional teria que ser postergada até o dia seguinte. Perto de nós, um senhor uniformizado varria o chão do aeroporto. E sem percebermos, ele escutou a nossa conversa e viu que estávamos em dúvida sobre como proceder.

De repente, o choque total: o senhor chega até mim, falando em ótimo português, e explica que deveríamos pegar o trem X que sairia na hora Y e que, para isso, deveríamos utilizar uma máquina para comprar os tíquetes que estava mais à frente. E naquele misto de surpresa e de desconfiança, achando que ele iria me pedir alguma grana em troca, fiquei atônita.

 

 

Não satisfeito com isso, ele prosseguiu sua investigação, e fez questão de ir até a parte onde ficava o letreiro com os horários das partidas – ficou ali matutando qual seria o melhor custo/benefício para nós, me explicando todos os prós e contras de cada horário e tipo de viagem.

 

#140872063 / gettyimages.com

 

Altamente chocada e surpresa por encontrar um faxineiro suíço falando a minha língua, perguntei se ele era ou tinha algum parente português. Foi aí que ele me olhou com a maior cara de estranheza, e resmungou que não, sem querer me dar muita satisfação. Para ele, devia ser muito natural falar português – então, por que ouvir e ter que responder àquela pergunta?

Em seguida, agradeci pela ajuda, e ele voltou ao seu trabalho, sem esboçar nenhuma reação de que eu deveria recompensá-lo, sem pedir nenhum centavo em troca.

E eu consegui embarcar para Lucerna com o melhor custo/benefício possível, graças à ajuda desse iluste desconhecido.

Não foi o máximo?

Sobre Márcia Oliveira 226 Artigos
É uma carioca completamente apaixonada por viagens - assim que chega de uma já está planejando a próxima. Atualmente mora em Munique, na Alemanha. É Jornalista e tem um marido super gente boa que a acompanha em suas aventuras. Adora fotografia. Ama a família e os animais. Aprecia as coisas simples da vida. E adora escrever no blog e conversar sobre viagens!

2 Comentário

Dê vida a este blog! Deixe sua opinião aqui!