Furadas de viagens: Hotel em Buenos Aires

“Lição para a vida: nunca, jamais, confie nas fotos publicadas nos sites de hotéis”

Essa foi a lição que eu pude tirar após entrar no quarto de um hotel em Buenos Aires, em uma viagem realizada em 2008. O hotel em questão tinha um site bonitinho e se promovia como um apart hotel, oferecendo várias facilidades aos hóspedes, incluindo uma simpática cozinha dentro do quarto. E um detalhe: preço não era dos mais baratos, mas aparentemente justo para aquela categoria de hotel.

Ao entrar no quarto, não conseguia parar de me perguntar: “O que estou fazendo aqui???”. A cama de casal só tinha um travesseiro; o chão, forrado com um carpete da era Mezozóica, escondia um buraco de uns 15 cm de profundidade na saída do banheiro – ou seja, você pisava sobre o carpete e seu pé afundava; o teto do banheiro era cheio de mofo; a cozinha era velha e nojenta – o gelo do frigobar era cinza, quase preto (veja abaixo)!!! Argh…

Gelo escuro e estado lastmável do frigobar do hotel 

Ah, e tinha mais: no quarto da minha cunhada, havia três portas: uma para sair do quarto (ok!), uma para o banheiro (ok!) e outra para o quarto do vizinho (como assim???). É isso mesmo: ao abrir essa terceira porta (que estava destrancada) para conferir o que havia ali dentro, ela se deparou com outro hóspede dormindo de cueca em seu quarto… Precisava de mais algum motivo pra sair correndo???

Mesmo estando cansada da viagem (que durou quase um dia todo devido a inúmeras escalas da Gol), resolvi sair pela cidade, entrando de hotel em hotel, para ver se haveria vaga. Não queria ficar nem mais um minuto naquele lugar, por motivos óbvios.

Após andar bastante, já estava quase desistindo. Entrei em vários hotéis muito ruins. Em um deles, o dono fez questão de nos recepcionar e nos apresentou um quarto tinha as paredes todas revestidas por azulejos… Alouuuu!? Alguém já viu isso? Parecia com as casas que aparecem nos episódios do Chaves…

Quando já estava quase desistindo, vi um hotel muito bonito próximo a Calle Florida (o Grand Hotel Faecys Buenos Aires). Entrei para perguntar se havia quarto disponível e o rapaz da recepção me disse que sim, mas só a partir do dia seguinte. O preço? O mesmo do hotel de quinta em que estávamos hospedados. O quarto? Maravilhoso, novo, limpo e confortável. A decisão? Dormir um dia no muquifo e se mudar para esse hotel no dia seguinte.

Foi o que fizemos. Por sorte, estava cansada e não fiquei pensando muito na sujeira do quarto. No dia seguinte, estávamos confortavelmente instalados no hotel novo –  e aí sim, pudemos aproveitar a viagem com mais higiene e tranquilidade.

Ao chegar ao Brasil, procurei por referências do primeiro hotel (se é que pode ser chamado dessa forma) na web no site Tripadvisor, e notei que elas não eram as melhores. Se tivesse feito isso antes da viagem, certamente teria evitado um aborrecimento. Por isso, desde então, sempre busco a opinião de outros viajantes em diversos sites, para refletir sobre os prós e contras do hotel e decidir finalmente onde ficar. E confesso que isso tem dado certo desde então.

Sobre Márcia Oliveira 226 Artigos
É uma carioca completamente apaixonada por viagens - assim que chega de uma já está planejando a próxima. Atualmente mora em Munique, na Alemanha. É Jornalista e tem um marido super gente boa que a acompanha em suas aventuras. Adora fotografia. Ama a família e os animais. Aprecia as coisas simples da vida. E adora escrever no blog e conversar sobre viagens!

4 Comentário

  1. oi, Marcia!
    Uma dúvida: esse apart hotel ao qual vc se refere ficava na Corrientes? É que reservei um ali e agora me bateu um certo medo!
    Beijos
    Karla

Dê vida a este blog! Deixe sua opinião aqui!