Vale a pena voar com as companhias low cost europeias?

Sou fã de carteirinha das empresas aéreas low cost europeias. Mas, para quem ainda não teve a experiência de viajar por elas, deixo alguns alertas e informações úteis abaixo, para que vocês saibam o que esperar da viagem ao comprar seu bilhete.

1) Maior tempo de deslocamento até os aeroportos: as empresas aéreas low cost da Europa normalmente conseguem praticar preços bem mais atrativos por cortar vários serviços que normalmente estão embutidos no valor do tíquete – e também por operarem em aeroportos mais distantes dos grandes centros, que custam menos para elas. Por isso, antes de comprar sua passagem, verifique quanto tempo levará se deslocando entre o seu destino e o aeroporto em questão e também quanto isso lhe custará. Avalie se a viagem continua valendo a pena ao somar o valor da passagem aérea  e o tempo de translado de/para os aeroportos de origem e destino.

2) Segurança: as empresas low cost pelas quais já viajei (Easyjet, Aer Lingus, Ryanair) conseguiram me transmitir uma imagem de credibilidade e confiança. Além disso, sei que as normas para a prestação do serviço de transporte de passageiros lá fora são muito rígidas, assim como a operação dos aeroportos. Se não houvesse investimento e preocupação com a segurança, o espaço aéreo europeu, que é um dos mais movimentados do mundo, certamente seria um caos – o que não é o caso. Outro ponto a ser destacado é que as aeronaves costumam ser novas e bem-conservadas (a Easyjet, por exemplo, possui a frota mais nova da Europa, com aviões com idade média de 3,4 anos), embora às vezes deixem um pouco a desejar no quesito “limpeza”.

3) Franquia de bagagem baixa: literalmente, “pegue leve” com as malas. Apesar de  não haver a pesagem da bagagem de mão, o peso máximo permitido para a bagagem de porão varia de 10 a 15 kg. Passando disso, você paga um valor relativamente alto por quilo excedido, o que pode fazer com que a tarifa de bagagem seja mais alta que a própria passagem.

4) Assentos mais apertados e serviços de bordo cobrados à parte: prepare-se para viajar em um assento menos confortável, com pouca ou nenhuma reclinação e largura bastante restrita, além de menor distância para os assentos da frente. Isso acontece por um motivo muito óbvio: quanto mais pessoas couberem no avião, menos a companhia poderá cobrar pelo bilhete, conseguindo atender a um maior número de pessoas e garantindo voos cheios. Já ouvi até rumores de que a Ryanair iria instalar assentos que ficam quase na vertical em algumas de suas aeronaves, para maximizar ainda mais o espaço interno. Felizmente, acho que a ideia não foi adiante. Outro ponto é que, obviamente, não existe serviço de bordo grátis. Para comer ou beber é preciso pagar. Além disso, costuma haver também a venda de artigos como relógios, perfumes e canetas durante os voos.

5) Estouro da boiada na hora do embarque: como os lugares nesses voos não são marcados, o que normalmente ocorre quando o embarque é autorizado é a correria para pegar os melhores lugares. Nunca presenciei um verdadeiro caos, afinal estamos falando de Europa, mas existe sim uma disputa visível para ver quem vai conseguir sair na frente. Uma alternativa para quem deseja evitar isso é a compra de um serviço de embarque mais rápido, que pode ser adquirido no momento da compra do bilhete na internet.

Mas, apesar de tudo isso, vale realmente a pena voar por uma low cost


Se você não tem frescuras e busca economizar nas suas viagens como eu, vale a pena aproveitar os bilhetes mais baratos sim. Através dessas companhias consegui viajar para lugares para os quais eu não teria grana para ir se tivesse somente a opção das companhias aéreas tradicionais. E, na verdade, no mundo capitalista não há muito segredo: você paga pelo que você tem. Por isso, não espere encontrar mimos e um tratamento 5 estrelas, mas o suficiente para chegar em segurança ao seu destino.


Quem dera tivéssemos aqui no Brasil companhias aéreas realmente acessíveis. A Gol e a Webjet, que são as mais populares, ainda ficam bastante aquém das suas semelhantes europeias, embora já sejam um passo na direção da democratização do transporte aéreo no nosso país.

Para pesquisar valores de passagens, um site útil é o www.flylowcostairlines.com

 

Sobre Márcia Oliveira 226 Artigos
É uma carioca completamente apaixonada por viagens - assim que chega de uma já está planejando a próxima. Atualmente mora em Munique, na Alemanha. É Jornalista e tem um marido super gente boa que a acompanha em suas aventuras. Adora fotografia. Ama a família e os animais. Aprecia as coisas simples da vida. E adora escrever no blog e conversar sobre viagens!

1 Trackback / Pingback

  1. Cobrança para marcação de assento em voos Lufthansa: um absurdo ⋆ Viajando por aí

Dê vida a este blog! Deixe sua opinião aqui!