Todos os detalhes de uma aventura emocionante no Pantanal

Visitar o Pantanal é se conscientizar da pequenez do homem perante a grandiosidade da natureza. Se você gosta de ecoturismo, curte pescar e observar pássaros e outros animais, cavalgar, fazer trilhas, ir para o Pantanal é tudo de bom!

Meu marido e eu sempre tivemos o sonho de conhecer o Pantanal. Não queríamos, porém, ficar na cidade e ir ao Pantanal. Nosso desejo era ficarmos hospedados no Pantanal. Após algumas visitas frustradas a agência de viagens, resolvemos “arregaçar as mangas” e montarmos nós mesmos nossa viagem. Pesquisando na Internet, achamos o Hotel Fazenda Barra Mansa, localizado às margens do Rio Negro . Fizemos nossas reservas e partimos felizes, rumo a novas aventuras!

1-pantanal_15
Primeiro, comprarmos as passagens pela Azul para Campo Grande, onde ficamos um dia no Hotel Cerrado. Logo de manhã, um motorista do hotel foi nos buscar e partimos para Aquidauana. Dezembro é época de cheia na região, então, ir de carro pode ser complicado devido a possíveis atolamentos.

Para chegar à fazenda, fomos de monomotor. Confesso que quando vi o tamanho do avião, um Cessna, deu um pouco de medo, logo superado quando o piloto, o Seu Nelson, superexperiente, veio conversar conosco. Além disso, o dia estava lindo, perfeito para voar! Pedi para ir no banco da frente, de copiloto, e aproveitei para tirar muitas fotografias.

2-Pantanal_Mato_Grosso (2)

Ao chegarmos, fomos recebidos pelo proprietário da fazenda, Guilherme Rondon, com um suco de manga delicioso e um breve papo sobre como são as atividades na fazenda.

A Barra Mansa não é um resort, então, não tem piscina, sauna, essas coisas. A proposta é que os hóspedes vivam o dia a dia do Pantanal e desfrutem de suas belezas da forma como acharem melhor. A capacidade é somente de 17 hóspedes, o ambiente é familiar e o atendimento é personalizado. Cada casal, família ou grupo que chega é atendido por um pantaneiro, que fica à disposição para realizar as atividades. Nosso pantaneiro foi o Alex e não poderia ter sido melhor!

Para aproveitar o dia, é preciso acordar cedo, por volta das 5 horas da manhã. O almoço é servido lá pelas 13 horas, depois tem a sesta (é muito quente e não dá para fazer nada das 13 às 16 horas). A partir das 16 horas, retomamos as atividades no Pantanal.

3-Pantanal_Mato_Grosso (3)Pescamos piranhas, observamos jacarés, pacas, ariranhas, tucanos, araras e outras aves. Só não conseguimos ver a onça pintada.

4-Pantanal_Mato_Grosso (4)

Passeamos de barco pelo Rio Negro, fizemos trilhas e cavalgadas. Foi a primeira vez que andei de cavalo solto, sem ninguém segurando. Mas o “crash course” do Alex foi ótimo e rapidinho aprendi. Além disso, os cavalos são treinados para andar em grupo. O meu era o Boquinha, manso demais!

5-Pantanal_Mato_Grosso (1)
O Pantanal é estonteante. Ficamos maravilhados e pretendemos voltar. Porém, alguns cuidados são necessários: protetor solar e repelente de mosquitos são indispensáveis. Os mosquitos são enormes e mordem até por cima da roupa. Aconselho usar calças compridas e blusas de manga comprida tipo dry fit.

Se você é do tipo que tem medo de insetos, sapos, pererecas e similares, talvez essa não seja a viagem para você, mas o visual e as experiências valem qualquer desconforto. Eu mesma tive uma crise alérgica no avião na volta devido às picadas de mosquito, nada que uma injeção não resolvesse! 🙂

Sobre Andrea Ribeiro 1 Artigo
Doutora, Mestre, Bacharel, Gateira, Apaixonada por livros e filmes de vampiros, é viciada em séries e em Coca-Cola Zero... Andrea Marques é professora e curte conhecer lugares exóticos no Brasil e no mundo na companhia do seu marido.

2 Comentário

Dê vida a este blog! Deixe sua opinião aqui!